12/05/2020 às 18:04 Reflexões

Insights de Branding Pessoal do novo documentário na Netflix "Becoming" sobre Michelle Obama

383
5min de leitura

Michelle Obama, ex-primeira-dama dos Estados Unidos, casada com Barack Obama, nascida e criada no sul de Chicago, graduada em Princeton e pela Harvard Law School. Teve um imenso destaque na participação da campanha presidencial de seu marido, em 2007 e 2008. Em 2018, Michelle escreveu a sua autobiografia "Becoming", sendo este um relato íntimo sobre a sua história e sobre os 8 anos de mandato de seu marido. E em 2020 foi lançado na Netflix o documentário com o mesmo título do livro, que mostra os bastidores da turnê de lançamento da autobiografia. E o que podemos aprender sobre Marca Pessoal com o documentário? Lembrando que Michelle foi considerada uma das mulheres mais influentes da história e se tornou também um ícone da moda da Casa Branca..

Neste artigo analisarei os principais insights que podemos perceber com a história da ex-primeira-dama contada no documentário. Marca pessoal é extremamente importante no papel de primeira-dama, pois ela assume uma posição capaz de influenciar milhares de jovens e também de criar um "awareness", chamar a atenção para importantes questões sociais do país.

O primeiro insight que notei em relação a marca pessoal de Michelle Obama, foi quando ela afirma que é uma mulher, negra, nascida e criada no sul de Chicago e isso já dizia basicamente tudo sobre ela. Não é a toa que ela se descreve em sua biografia do Instagram como "uma garota do sul"..

O sul de Chicago é conhecido por ser hoje a região mais perigosa de Chicago , por abrigar as principais gangues e ter sua população majoritariamente negra. Michelle conta sobre sua infância no sul de Chicago, como foi importante ter uma família unida e alegre, mas também mostra como o sofrimento em relação ao racismo sempre esteve presente em sua história, desde a transição que o seu bairro sofreu durante a época conhecida como "white fligtht", quando as famílias negras chegaram na região muitas famílias brancas se mudaram com medo e desvalorizou muito o valor imobiliário do bairro, atraindo famílias de classes mais pobres. Também sofreu o preconceito quando foi estudar em Princeton e era uma das poucas mulheres afro-descendentes em toda a faculdade.

Além disso, listei 4  importantes insights que podemos aprender com a marca pessoal de Michelle Obama:

1. PROPÓSITO

Ter um propósito é o primeiro passo para construção de uma marca pessoal. Michelle sempre teve claro quais eram as suas bandeiras, como o apoio à diversidade e a defesa do direito das mulheres e sempre mostrou sua paixão e preocupação ao falar a respeito. Não esconde a sua raiva ao falar de como as mulheres são tratadas ainda nos dias de hoje, com comentários vergonhosos sobre nossos corpos, o desrespeito pelo nosso intelecto, o tão aterrorizante que é ainda acreditar que se pode fazer o que quiser com uma mulher, sem consequências. Michelle mostra o tanto que ela precisa e quer influenciar os jovens para construir um mundo melhor e como ela se preocupa no mundo que irá deixar para suas filhas.

2. STORYTELLING

Michele o tempo todo no documentário mostra a importância de contar sua história para o mundo, de mostrar sua vulnerabilidade. Ela escreveu sua autobiografia, publicada em 2018, contando todos os detalhes da sua vida, relatando intimamente todos os desafios que teve desde a sua infância no sul de Chicago e a desvalorização de seu bairro com a chegada das famílias afro-descendentes, conta como foi importante a presença da sua família em sua criação e como isso a tornou uma mulher autoconfiante, mesmo vivendo num mundo racista e preconceituoso e conta também sua relação com a imprensa, que desde 2007 estava o tempo todo distorcendo a sua história pessoal, criando uma imagem negativa e distorcida de Michelle para abalar a campanha de Barack Obama.

“Quero que todos nós nos consigamos lembrar que estes momentos de vulnerabilidade, e estas lições, fazem de nós quem somos. Por isso, espero que todos vocês acreditem na sua história. Espero que consigam reconhecer que aquilo que pensam ser uma fraqueza pode, na verdade, ser um poder. Espero que reconheçam o poder da sua voz”. - Michelle Obama.

3.AUTENTICIDADE

Michelle mostra de forma ativa sua autenticidade, pois ela não está ali atuando, ela é real. Afirma que ela acredita na sua própria história.  Ela não esconde seus pontos fracos, muito pelo contrário, ela os mostra e ressalta a importância de aprender também com os fracassos e dificuldades, fazendo as pessoas confiarem nela, porque acreditam nela. Ela é autêntica quando afirma que a Michelle Obama que você vê na televisão é a mesma Michelle Obama que está com suas filhas, passeando com o cachorro, conversando com seu marido, e por isso é tão mais fácil pra ela estar ali, porque ela não tem que fingir ser outra pessoa. Ela é a mesma em todos os papéis que assume.  Autenticidade é construir uma marca pessoal baseada nos valores que você acredita, para você não ter que ser um personagem, mas sim você mesma.

4.MARKETING PESSOAL

Para atingir um público mais jovem, Michelle sempre se mostrou presente nas mídias sociais, como no Instagram e no Snapchat, como uma pessoa divertida e descolada, que ensina alguns passos de dança e ainda arrasa no Carpool Karaoke com James Corden, uma pessoa que seria legal ter por perto como amiga, e a audiência se conecta facilmente com essa pessoa, mas também trazendo mensagens profundas sobre questões sociais de seu país.

Apesar do intenso escrutínio público que sofreu, em relação às causas que defendia ou à forma como se vestia ou ao seu penteado, Michelle desenvolveu uma estratégia de estilo, de imagem pessoal, com o objetivo de refletir sua personalidade forte, corajosa e ousada e chamar a atenção para os temas que lhe eram queridos. Um exemplo de como Michelle conseguia mesclar o conteúdo e o estilo como ferramentas de influência foi no evento do Inaugaration day em 2009 , onde Michele apareceu com um vestido verde, simbolizando a esperança e a renovação.

Sem dúvidas há muito o que aprender com a história de Michelle Obama e sim ela é uma mulher poderosa e inspiradora com uma marca pessoal incrível que conseguiu realizar tudo isso enquanto apoiava o marido ao longo de dois mandatos históricos e cuidava das duas filhas.

"Talvez nós estejamos com medo de sermos tão vulneráveis. Talvez tenhamos crescido aprendendo a esconder essas emoções e permanecer quietas. Ou talvez nós não queiramos acreditar que ainda existam pessoas que pensem tão pequeno a respeito de nós como mulheres". -Michelle Obama.

12 Mai 2020

Insights de Branding Pessoal do novo documentário na Netflix "Becoming" sobre Michelle Obama

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

analisedebrandingpessoal analisedemarcapessoal brandingpessoal marcapessoal marcapessoaldamichelleobama michelleobama michelleobamapersonalbranding personalbranding

Quem viu também curtiu

13 de Abr de 2020

3 Lições de Personal Branding da série Madam C. J. Walker

04 de Fev de 2020

Os 3 pilares básicos da Marca Pessoal

06 de Jan de 2021

Sobre crescimento e zona de conforto